DESENVOLVIMENTO E CARACTERIZACÃO DE FARINHA DE QUIABO ORGÂNICO

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Luzia Almeida Couto
Jéssica Souza Coqueiro

Resumo

O quiabo (Abelmoschus esculentus) é um dos mais interessantes alimentos consumidos no meio alternativo, devido a sua composição rica em vitaminas e minerais, possuindo ainda, elevados teores de água, proteínas e gorduras. Diante do exposto, objetivou-se com o presente estudo desenvolver e caracterizar a farinha de quiabo orgânico, por meio de análises físico-químicas, identificando e quantificando os elementos que a compõem.  Este estudo teve três fases principais, sendo a primeira, o preparo da matéria-prima, seguido pelo processamento da farinha de quiabo, e por fim caracterização físico-química. Após o processamento da farinha, as amostras foram submetidas a análises de Teor de Água, Cinzas, Proteínas, Lipídios, Fibras, Carboidratos e Valor Energético (Kcal). Todas as análises foram realizadas conforme metodologia descrita em Couto et al., (2020). os valores encontrados para a caracterização da farinha de quiabo orgânico, em relação a composição dos seus macronutrientes. Para os teores de umidade, em relação aos dois produtores, as amostras apresentaram variação entre 13.59 a 13.78%, já para a análise de cinzas foram obtidos valores entre 7.69 a 7.94%, os resultados das análises de proteínas e fibras apresentaram-se bem semelhantes com valores entre 2.36 a 2.77, respectivamente, a quantificação de lipídios variou entre 0.76 a 0.84%, por fim, os valores de carboidratos obtidos variaram entre 27.21 a 27.55%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Ciências Agrárias
Biografia do Autor

Luzia Almeida Couto, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - campus Guanambi

Graduanda no curso superior Tecnologia em Agroindústria, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Guanambi. Atualmente é integrante do grupo de monitores do Laboratório de Bromatologia Vegetal desta instituição. Tem experiência na área de Microbiologia Geral, Estatística Básica, Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Ciência e Tecnologia de Alimentos.

Jéssica Souza Coqueiro, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Guanambi.

raduanda do curso de Tecnologia em Agroindústria no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano - Campus Guanambi. Atualmente é integrante do grupo de monitoria do laboratório de Bromatologia Vegetal desta instituição, com experiencia na área de análise de alimentos.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Aprova o regulamento técnico referente á informação nutricional complementar. Portaria n° 27, de 13 de janeiro de 1998. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 1998.

ANDRADE, T. Y. I.; ZANON, D. A. V.; DOS SANTOS, A. R.; CECILIO, N. G.; ALBA, M. S. S.; DOS REIS, L. A. D. Alimentação saudável em foco: Oficina temática como estratégia para promover a aprendizagem significativa no ensino de ciências. Ciências & Cognição, v. 23, n. 1, 2018.

ANJO, D. F. C. Alimentos funcionais em angiologia e cirurgia vascular. Jornal Vascular Brasileiro, v. 3, n. 2, p. 145-154, 2004.

BICK, M. A.; FOGAÇA, A. O.; STORCK, C. R. Biscoitos com diferentes concentrações de farinha de quinoa em substituição parcial à farinha de trigo Cookies. Brazilian Journal Food Technol, v. 17, n. 2, p. 121-129, Campinas - SP, abr./jun., 2014.

BRANDÃO, W. A. Consumo saudável: uma análise do comportamento do consumidor no contexto dos alimentos orgânicos. Dissertação de Mestrado. 2016.

BRASIL, Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Aprova normas técnicas especiais do estado de São Paulo, relativa a alimentos e bebidas. Resolução da Comissão Nacional de Normas e Padrões para alimentos – CNNPA n.12, D.O.U. de 24 de julho de 1978.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução – RDC no 18, de 30 de abril de 1999 – Aprova o Regulamento Técnico que estabelece as diretrizes básicas para análise e comprovação de propriedades funcionais e ou de saúde alegadas em rotulagem de alimentos, constante do anexo desta portaria. 1999b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 263, de 22 de setembro de 2005. Aprova Regulamento Técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, Seção 1, p.1-6, 23 de setembro de 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n. 19, de 30 de abril de 1999. Aprova o Regulamento Técnico de Procedimentos para Registro de Alimento com Alegação de Propriedades Funcionais e ou de Saúde em sua Rotulagem. Brasília, 1999a.

BRASIL. Resolução RDC no 263, de 22 de setembro de 2005. Aprova o “Regulamento técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos”. Diário Oficial da União, Brasília, 23 set. 2005.

BRITO, A. L. B. Desenvolvimento de métodos analíticos para monitoramento da qualidade de farinhas funcionais e cafés. Tese de Doutorado. 2018.

CALISKAN, O. Mediterranean Figs (Ficus carica L.): Functional Food Properties. Department of Horticulture, Mustafa Kemal University, Antakya-Hatay, Turkey. Chapter 56, p. 629-637, 2015.

CAMPOS, R. P.; DA SILVA, M. J. F.; DA SILVA, C. F.; FRAGOSO, M. R.; CANDIDO, C. J. Elaboração e caracterização de farinha da casca de pequi. Cadernos de Agroecologia, v. 11, n. 2, 2016.

COUTO, L. A.; COQUEIRO, J. S.; COSTA, M. L. X.; BRANDÃO, M. R. S.; CAFIEIRO, C. S. P. Análise microbiológica e físico-química de banana desidratada submetida a diferentes tratamentos. Global Science And Technology, v. 12, n. 3, 2019.

COUTO, L. A.; COQUEIRO, J. S.; COSTA, M. L. X.; LANDIM, L. B. Análise da composição centesimal de polpa de caju congelada comercializada no município de Guanambi – BA. Global Science And Technology, v. 13, n. 1, 2020.
DA NÓBREGA SANTOS, E.; DOS ANJOS BEZERRA, E.; DA SILVA, L. M. A.; CAVALCANTI, M. T. Elaboração e caracterização da farinha do fruto da castanhola (Terminalia catappa Linn). Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v. 12, n. 2, p. 362-365, 2017.

DE ARAÚJO SPINOSA, E. Caracterização de farinha da casca de maracujá amarelo e maracujá-do-cerrado. Revisa Científica Semana Acadêmica. 2017.

DE OLIVEIRA, J. M. Scenario of organic agriculture in the Brazilian semiarid. Areia, Centro de Ciências Agrárias, Universidade Federal da Paraíba, Trabalho de Conclusão de Curso 2017.

DRAGINCIC, J.; KORAC, N.; BLAGOJEVIC, B. Group multi-criteria decision making (GMCDM) approach for selecting the most suitable table grape variety intended for organic viticulture. Computers and Electronics in Agriculture, v. 111, p. 194-202, 2015.

FERNANDES, Â.; PETROPOULOS, S. Α.; BARROS, L.; FERREIRA, I. C. Composição nutricional, química e bioativa de diferentes genótipos de Abelmoschus esculentus L. Moench. XXIII Encontro Galego Portugués de Química, 2017.

FERREIRA, T. R. B. Caracterização nutricional e funcional da farinha de chia (Salvia hispanica) e sua aplicação no desenvolvimento de pães. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Dissertação de Mestrado. 2013.

JAIN, N.; JAIN, R.; JAIN, V.; JAIN, S. A review on: Abelmoschus esculentus. Pharmacia, v. 1, n. 3, p. 84-89, 2012.

JÚNIOR, O. M. C.; OLIVEIRA, A. P. Caracterização físico-química da farinha da folha de cenoura (Daucus carota) e a aplicação na elaboração de produtos alimentícios. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 7, n. 2, p. 1098-1105, 2013.

KLEEMANN, L.; ABDULAI, A.; BUSS, M. Certification and access to export markets: Adoption and return on investment of organic-certified pineapple farming in Ghana. World Development, v. 64, p. 79-92, 2014.

KÜSTER-BOLUDA, I.; VIDAL-CAPILLA, I. Consumer attitudes in the election of functional foods. Spanish Journal of Marketing-ESIC, v. 21, p. 65-79, 2017.

LERNOUD, J.; WILLER, H. Current statistics on organic agriculture worldwide: Organic area, producers, markets and selected crops. The world of organic agriculture. statistics and emerging trends 2015, p. 32-116, 2016.

LOPES, A. W. P. Doses e épocas de adubação nitrogenada e poda apical na produção e qualidade das sementes de quiabeiro. Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira, Dissertação de Mestrado. 2007.

MACDIARMID, J. I. Uma dieta saudável é uma dieta ambientalmente sustentável?. Anais da Sociedade de Nutrição, v. 72, n. 1, p. 13-20, 2013.

MAURO, A. K.; SILVA, V. L. M. d.; FREITAS, M. C. J. Caracterização física, química e sensorial de cookies confeccionados com farinha de talo de couve (FTC) e farinha de talo de espinafre (FTE) ricas em fibra alimentar. Food Science and Technology, v. 30, n. 3, p. 719-728, 2010.

MORAES, F. P. Alimentos funcionais e nutracêuticos: definições, legislação e benefícios à saúde. Revista eletrônica de farmácia, v. 3, n. 2, 2006.

MOTA, W. F. D.; FINGER, F. L.; SILVA, D. J. H. D.; CORRÊA, P. C.; FIRME, L. P.; NEVES, L. L. D. M. Caracterização físico-química de frutos de quatro cultivares de quiabo. Horticultura brasileira, v. 23, n. 3, p. 722-725, 2005.

NASCIMENTO, E. S. Obtenção de hidrolisado proteico de semenstes de quiabo Abelmoschus esculentus (L.) Moench e sua capacidade antioxidante. Dissertação (Mestrado) – UFPB/CT. João Pessoa, 2015.

OMS – Organização Mundial da Saúde - World Health Organization. Healthy diet. Fact sheetNo 394, 2015. Disponível em: http://www.who.int/mediacetre/factsheets/fs394/en/. Acesso em: 18 de Junho de 2020.

PAN, W. H.; YEH, N. H.; YANG, R. Y.; LIN, W. H.; WU, W. C.; YEH, W. T.; LIN, B. Vegetable, fruit, and phytonutrient consumption patterns in Taiwan. journal of food and drug analysis, v. 26, n. 1, p. 145-153, 2018.

PIRES, T. P.; COSTA, B. P.; SILVA, R. N.; DE ASSIS, D. B. G.; SILVA, M. R. M. Períodos de controle das plantas espontâneas em sistema de cultivo orgânico de quiabo. Cadernos de Agroecologia, v. 10, n. 3, 2016.

SANTOS, E. M. A. C. Parasitismo de Meloidogyne incognita no cultivo de mudas de quiabo. Trabalho de Conclusão de Curso. 2019.

SIEGRIST, M.; SHI, J.; GIUSTO, A.; HARTMANN, C. Worlds apart. Consumer acceptance of functional foods and beverages in Germany and China. Appetite, v. 92, n. 1, p. 87-93, 2015.

SILVA, A. C. C.; SILVA, N. A.; PEREIRA, M. C. S.; VASSIMON, H. S. Alimentos contendo ingredientes funcionais em sua formulação: revisão de artigos publicados em revistas brasileiras. Revista Conexão Ciência I, v. 11, n. 2, p. 133-144, 2016.

SILVA, C. E. d. Desenvolvimento, caracterização e análise sensorial de bolo a partir da farinha de xiquexique (Pilosocereus gounellei). Tese de Doutorado. 2019.

SILVA, V. S. N. Estudo dos efeitos nutricionais da farinha de polpa e mucilagem extraida do quiabo (Hibiscus esculentus L.). Tese (doutorado) – Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Engenharia de Alimentos. Campinas, SP. 2006.
SOLÓRZANO, J. W. V. Obtenção e caracterização de farinha extrudada de diferentes genótipos de sorgo para o desenvolvimento de biscoitos doces. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia de Alimentos). Instituto de Tecnologia, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Dissertação de Mestrado. 2013.

SOUSA, M. S. B.; VIEIRA, L. M.; LIMA, A. de. Fenólicos totais e capacidade
antioxidante in vitro de resíduos de polpas de frutas tropicais. Brazilian Journal
Food Technoly, Campinas,v.14, n.3, 2011.

TORREZAN, R. Qualidade, 2017. Disponível em:

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)