O ROMANCE PÓS-COLONIAL NA ÁFRICA: AS EXPRESSÕES DA VIOLÊNCIA

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Adilson Vagner Oliveira

Resumo

Este trabalho analisa obras das literaturas africanas, com o objetivo de demonstrar aspectos da violência do meio social presentes nos romances. Em termos metodológicos, foram utilizados os procedimentos da literatura comparada propostos por Carvalhal (2006), estabelecendo uma aproximação temática entre as produções narrativas Desonra (2000) de J. M. Coetzee, O caminho de casa (2017) de Yaa Gyasi e Hibisco Roxo (2015) de Chimamanda Ngozi Adichie. No decorrer do artigo, vários tipos de violência foram abordados, como a violência sexual, física, doméstica, psicológica e verbal, a fim de expor como a violência tornou-se um elemento composicional nas obras retratadas.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Linguística, Letras e Artes

Referências

ABDALA JUNIOR, B. De voos e ilhas: literatura e comunitarismos. Cotia, SP: Ateliê, 2003.

ADICHIE, C. N. Hibisco Roxo. 2ª ed. São Paulo: companhia das Letras, 2015.

AHMAD, A. In theory: classes, nations, literatures. New York: Verso, 2008.

ALMEIDA, Júlia; MIGLIEVICH-RIBEIRO, A. GOMES, H.T. Crítica pós-colonial: panorama de leituras contemporâneas. 1ed. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.

BOMBARDELLI, D. ; HATEM, T. G. A representação do poder e da identidade na obra Desonra, de J. M. Coetzee. Revista Memorare. Tubarão. V. 2, n. 1, p. 93–101 set./dez, 2014.

BRASIL. Lei Maria da Penha: Lei no 11.340, de 7 de agosto de 2006. Mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010.

CHILDS, Peter; WILLIAMS, R. J. An introduction to post-colonial theory. London: Prentice Hall, 1997.

COELHO, E.B.S.; SILVA, A.C.L.G; LINDNER, S.R. Violência: definições e tipologias [recurso eletrônico]. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2014. 32 p.

COETZEE, J.M. Desonra. 4ªed. São Paulo: companhia das Letras, 2000.

CRUZ, A. Narrativas contemporâneas da violência: Fernando Bonassi, Paulo Lins e Ferréz. Tese (Doutorado em Letras) - Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais. Minas Gerais, p. 238. 2009.

DALCASTAGNÈ, R. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n.º 26. Brasília, julho-dezembro de 2005, p. 13-71.

FACURI, C.O. Violência sexual: estudo descritivo sobre as vítimas e o atendimento em um serviço universitário de referência no Estado de São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro , v. 29, n. 5, p. 889-898, Mai. 2013.

GYASI, Y. O caminho de casa. 1ªed. Rio de Janeiro: Rocco, 2017.

JUNIOR,V.V. Espaços da violência na narrativa brasileira contemporânea. Estudos de literatura brasileira contemporânea. Brasília, n. 42, p. 65-78, jul./dez. 2013.

LAWSON-HELLU, Laté. Roman africain et ideologie. Laval: Presses de l’Université de Laval, 2004.

MACIEL, M. E. A vida dos outros: J.M. Coetzee e a questão dos animais. Revista Aletria. V.21, nº3, set-dez, 2011.

MENDES, F.M. Realismo e violência na literatura contemporânea: os contos de Famílias terrivelmente felizes, de Marçal Aquino [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015.

MICHAUD,Yves. A violência. São Paulo: Ática, 1989.

MOREIRA, T.T. História, violência e trauma na escrita literária angolana e moçambicana. Revista Cespuc Belo Horizonte N 27- 2015.

MÜLLER, F.O. O florescer das vozes na tradução de purple hibiscus,de Chimamanda Ngozi Adichie. Tese (Mestrado em estudo da tradução) - Faculdade de Letras, Universidade de Brasília, p. 26. 2017.

NGÛGÎ, Wa Thiong’o. Moving the center: the struggle for cultural freedom. Nairobi, Kenya: English Press, 1993.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

SANTOS, Boaventura de S. A gramática do tempo. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SEMUJANGA, Josias. Dynamique des genres dans le roman africain. Paris: L’Harmattan, 1999.

ZANCAN, N.; WASSERMANN, V.; LIMA, G.Q. A violência doméstica a partir do discurso de mulheres agredidas. Pensando famílias, Porto Alegre, v. 17, n. 1, p. 63-76, jul. 2013.