A colonização portuguesa e a implicação desta na coloniedade da educação indígena o caso dos Chiquitano

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Ema Marta Dunck Cintra

Resumo

A história da colonização do Brasil significou a coloniedade dos indígenas que habitavam esses espaços. Estudos apontam os efeitos negativos dessa colonização sobre os nativos e o que isso significou em termos de aniquilamento de povos e de línguas. Somente em 1988 é que essas populações começam a vislumbrar novas possibilidades educativas, entre elas a de ter uma escola que contemple os seus conhecimentos ancestrais e sua língua materna. Este artigo, tendo como exemplo o que ocorreu com o povo indígena Chiquitano, e pautado em pesquisa bibliográfica e de campo, objetiva historicizar a educação que fora imposta aos povos indígenas brasileiros e aponta as mudanças que gradativamente emergiram a partir da Constituição Cidadã.


 

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Seção
Ciências Humanas

Referências

BRASIL. Lei nº 6001/73, de 19 de dezembro de 1973. Dispõe sobre o estatuto do Índio. Diário Oficial [da] União, Brasília, 21 dez. 1973. p. 13.177, seção 1.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Diretrizes para a política nacional de Educação Escolar Indígena. Brasília: MEC, 1993.
BRASIL. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: MEC, 1996.
BRASIL. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Brasília: MEC/SEF, 1998.
BRASIL. Resolução n. 3, de 29/11/99. Brasília: MEC/SEF, 1999.
BRASIL. Referencial curricular nacional para as escolas indígenas. Brasília: MEC/SEF, 2002.
BRASIL. Plano Nacional de Educação 2014-2024 [recurso eletrônico]: Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014. (Série Legislação, n. 125).
DUNCK-CINTRA, Ema Marta. Do silêncio à vitalidade sociocultural dos Chiquitano do Porta do Encantado -Mato Grosso –Brasil. 2016. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Letras, 2016
DUNCK-CINTRA, Ema Marta; SANTANA, Áurea C. Diversidade e políticas linguísticas: uma experiência com os Chiquitano do Brasil. 1. ed. Cuiabá: Ed. UFMT, 2009. v. 9.
DUSSEL, Enrique. Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.
FANON, Frantz. Os condenados da terra. Trad. José Laurêncio de Melo. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 1968.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da tolerância. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2014a.
FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 58. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014b.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.
GUIMARÃES, Susana Martelletti Grilo. A aquisição da escrita e diversidade cultural: a prática dos professores Xerente. Brasília: Funai/Dedoc, 2002.
IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: www.ibge.gov.br. Acesso em: 10 maio 2010.
LUCIANO, Gersen dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação/Secad; Museu Nacional, 2006.
MATO GROSSO. Projeto político-pedagógico: Escola Indígena Portal do Encantado. Porto Espiridião, MT, 2007.
MENDONÇA, Terezinha Furtado. Projeto Tucum: relato de uma experiência de formação de professores indígenas em Magistério. In: MARFAN, Marilda Almeida (Org.). Congresso Brasileiro de Qualidade na Educação: formação de professores: educação escolar indígena. Brasília: MEC/SEF, 2001. p. 181-186. Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2015.
PIMENTEL DA SILVA, Maria do Socorro. A situação sociolinguística dos Karajá de Santa Isabel do Morro. Brasília: Funai/Dedoc, 2001.
RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Línguas brasileiras: para o conhecimento das línguas indígenas. São Paulo: Loyola, 1986.
RODRIGUES, Aryon Dall’Igna. Línguas indígenas: 500 anos de descobertas e perdas. Delta, v. 9, p. 83-103, fev. 1993.
RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.
SANTANA, Áurea Cavalcante. Línguas cruzadas, histórias que se mesclam: ações de documentação, valorização e fortalecimento da língua Chiquitano no Brasil. 2012. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Letras, 2012.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 31-83.
TUBINO, Fidel. La interculturalidad crítica como proyecto ético-político. In: ENCUENTRO CONTINENTAL DE EDUCADORES AGUSTINOS, Lima, ene. 2005. Disponível em: . Acesso em: 9 out. 2015.

SITES
DIRETÓRIO dos índios (1757). Nação indígena. http://www.nacaomestica.org/diretorio_dos_indios. htm>. Acesso em: 13 nov. 2015
BRASIL. Serviço de Proteção ao Índio - SPI. http://www.funai.gov.br/index.php/servico-de-protecao-aos-indios-spi?limitstart=0#. Acesso em: 5 maio 2015.
MATO GROSSO. SEDUC. Relatório 35/GED-BI/Sigeduca/. http://bi.seduc.mt.gov.br/logar.aspx?ReturnUrl=%2fdefault.aspx