O Malabarismo nas Ruas como Alternativa Econômica aos Jovens Excluídos do Mercado Formal de Trabalho

  • Juliano Batista dos Santos IFMT Campus Cuiabá.

Resumo

A informalidade nasce não apenas como recurso à falta de emprego, mas também como maneira de complementar rendas insuficientes ao custeio daquilo que é o mais básico no ser humano: a alimentação. Segundo o IBGE o salário médio do trabalhador brasileiro com carteira assinada no ano de 2014 foi de, aproximadamente, R$ 2.104,16 mensais, valor que, apesar de se aproximar da remuneração ideal calculada pelo DIEESE, ainda apresenta um déficit de 29,08%. Fora dessas estatísticas estão os trabalhadores informais. Alguns deles com e outros sem o desejo de ingressar na formalidade. Entre os que não desejam regularizar os seus ofícios junto aos órgãos públicos estão os artistas circenses das/nas ruas de Cuiabá que não apenas escapam da precariedade provocada pelas baixíssimas remunerações, como igualmente se realizam pessoalmente por utilizarem da arte que escolheram como meio de sobrevivência e opção de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMARAL, Márcio de Freitas. Cultura Juvenis e experiência social. Modos de ser jovem na periferia. 2011. 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

BRASIL. Decreto-Lei nº 5.452, de 01 de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Brasília, DF, 09 agost. 1943. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ decreto-lei /del5452.htm>. Acesso em: 20 fev. 2015.

CERCA de 40% recebem até um salário mínimo. DOL DiárioOnLine. Pará, 30 abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2014.

COSTANZI, Rogério Nagamine. Trabalho decente e juventude no Brasil. Brasília: Organização Internacional do Trabalho, 2009. Disponível em: < http://www.ilo.org/wcmsp5/groups/public/---americas/---ro-lima/---ilo-brasilia/documents/publication/wcms_230674.pdf> Acesso em: 19 jan. 2016.

COUTINHO, Carlos Nelson. A Época Neoliberal: Revolução Passiva ou Contra-reforma? Revista Novos Rumos, Marília, v. 29, n. 1, p. 117-126, jan.-jun., 2012.

DIEESE. Cesta básica nacional: salário mínimo nominal e necessário. 2014. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2014.

DIEESE. Cesta básica nacional: salário mínimo nominal e necessário. 2015. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2015.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Trad. Maria Célia Santos Raposo. 8ª ed. Petrópolis: Vozes, 1999.

IDALINO, Rosa Emília Araújo. A reinvenção do trabalho no limiar da informalidade: um estudo sobre a condição social dos “flanelinhas” na cidade de Campina Grande-Paraíba. 2012. 141 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2012.

IPCA - Índice Nacional de Preços ao Consumidor – Amplo. Disponível em: . Acesso em: 05 maio 2015.

JAKOBSEN, Kjeld. A dimensão do trabalho informal na América Latina e no Brasil. In: ______; MARTINS, Renato; DOMBROWSKI, Osmir (Org.). Mapa do trabalho informal: perfil socieconômico dos trabalhadores informais na cidade de São Paulo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000. p. 13-18.

MARX, K. O capital, v. 1. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

RENDA média do trabalhador cresce 33,1% em 12 anos, diz IBGE. Brasil Econômico, 29 de janeiro de 2015. Disponível em: < http://brasileconomico.ig.com.br/brasil/2015-01-29/renda-media-do-trabalhador-cresce-331-em-12-anos-diz-ibge.html> Acesso em: 13 de maio 2015.

SINGER, Paul. O trabalho informal e a luta da classe operária. In: JAKOBSEN, Kjeld; MARTINS, Renato; DOMBROWSKI, Osmir (Org.). Mapa do trabalho informal: perfil socioeconômico dos trabalhadores informais na cidade de São Paulo. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2000. p. 11-13.

WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. 1. ed. São Paulo: Cortez, 1993.
Publicado
17-01-2017
Como Citar
DOS SANTOS, Juliano Batista. O Malabarismo nas Ruas como Alternativa Econômica aos Jovens Excluídos do Mercado Formal de Trabalho. Profiscientia, [S.l.], n. 10, jan. 2017. ISSN 1806-0285. Disponível em: <http://www.profiscientia.ifmt.edu.br/profiscientia/index.php/profiscientia/article/view/116>. Acesso em: 20 nov. 2017.
Seção
Artigos